Presidente do Crea-RJ: ‘Poluição de tolueno que contaminou água de Niterói pode ter o mesmo impacto ambiental de Mariana e Brumadinho’

O presidente do Inea, Renato Bussiere, o secretário de Ambiente, Bernardo Rossi, e o presidente do Crea-RJ,  Miguel Fernández,  no marco zero da contaminação de tolueno no Rio Guapiaçu

O presidente do Inea, Renato Bussiere, o secretário de Ambiente, Bernardo Rossi, e o presidente do Crea-RJ, Miguel Fernández, no marco zero da contaminação de tolueno no Rio Guapiaçu

“O que aconteceu no manancial do segundo maior sistema de abastecimento de água do Estado do Rio, o Imunana-Laranjal, foi um desastre que pode ter o mesmo impacto ambiental das tragédias de Mariana e Brumadinho. O acidente mostra o risco atrelado à indústria petroquímica e a importância dos royalties pagos para que os órgãos públicos tenham condições de fazer ações de redução de risco. Isso não exime o fato de se descobrir os responsáveis e cobrar deles o ressarcimento pelos prejuízos.”

A avaliação é do presidente do Crea-RJ, o engenheiro Miguel Fernández, que esteve em inspeção técnica no Canal Imunana, em Guapimirim (RJ). Acompanhado do engenheiro Miguel Fernández y Fernández, o presidente do Crea visitou nesta sexta-feira, dia 12 de abril, o marco zero da tragédia, no município de Itaboraí, onde há um acampamento com cerca de 200 pessoas, entre técnicos da Transpetro, Cedae, Inea, e de concessionárias como Águas do Rio, além de agentes da Polícia Ambiental e bombeiros.

O acampamento da gestão da crise do tolueno recebeu também visitas do secretário de Ambiente e Sustentabilidade estadual, Bernardo Rossi, do presidente do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Renato Jordão Bussiere, além de uma comissão da Alerj formada pelos deputados Rodrigo Amorim (PTB), Professor Josemar (Psol) e Luiz Paulo (PSD), que é engenheiro. O secretário de Ambiente afirmou que surgiu uma “lagoa de tolueno” numa área de 20 quilômetros quadrados, o equivalente ao município de Nilópolis, na Baixada. Naquele local, a quantidade do produto é de 800 microgramas por litro, quando o tolerável pelo Conama é de apenas 30.

Em reunião no trailer da Ambipar – contratada pela Petrobras – o deputado Luiz Paulo questionou o secretário de Ambiente sobre como as autoridades estão preparadas para lidar com uma chuva forte na região, que poderá aumentar a gravidade da contaminação. No caso de necessidade, os técnicos da Cedae informaram que estão prontos para suspender novamente o abastecimento de água do sistema Imunana-Laranjal. O secretário Bernardo Rossi disse reconhecer até a hipótese de fazer um desvio no canal.

O deputado Luiz Paulo lembrou que será preciso descontaminar todo o solo e ter um plano de contingência para que eventos como este não voltem a afetar o abastecimento de água.

“Vistoriamos toda aquela região e verificamos a gravidade do desastre ambiental com tolueno, que é um hidrocarboneto derivado do petróleo, em uma área bastante grande, fazendo fronteira com o Polo Gaslub. É necessário descontaminar todo o solo que está poluído e, mais ainda, ter um plano de contingência para que eventos como este não afetem o abastecimento de água”, afirmou o deputado Luiz Paulo, que sobrevoou a área com os deputados.

Técnicos da Cedae afirmam que a contaminação ameaça os manguezais da Baía de Guanabara. Vizinha à área do desastre, a APA de Guapimirim também está ameaçada, o que pode levar o MPF a entrar no caso.

Uma das barreiras instaladas para conter o tolueno no Rio Guapiaçu, em Itaboraí

Uma das barreiras instaladas para conter o tolueno no Rio Guapiaçu, em Itaboraí

A Cedae já conseguiu estabilizar a produção de água e zerar a contaminação no sistema Imunana-laranjal, mas o solo está contaminado. Basta uma chuva forte para colocar o sistema novamente em risco, prejudicando cerca de 2 milhões de pessoas.

O presidente do Crea-RJ, engenheiro Miguel Fernández, percorreu a área do Rio Guapiaçu contaminada por tolueno. Miguel constatou que a área está repleta de barreiras para conter o produto químico, que está concentrado numa área de cerca de 20 quilômetros quadrados, em fazendas próximas ao Polo Gaslub Itaboraí, da Petrobras, o antigo Comperj.

Os técnicos da Cedae explicaram ao presidente do Crea que a produção da água foi estabilizada. A água do Canal Imunana — que faz parte do sistema de abastecimento de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí, Maricá e Paquetá – está sendo monitorada de hora em hora, na captação, em Guapimirim, com o emprego de um medidor de oxigênio dissolvido on-line. Na estação de bombeamento, técnicos da Cedae trabalham diuturnamente colocando carvão ativado para purificar a água. No início foram usadas 30 bolsas de 500 quilos cada. Na sexta-feira, os técnicos estavam empregando 12 bolsas.

O Sistema Imunana-Laranjal é composto pelo Canal de Imunana, que capta e leva a água dos rios Guapiaçu e Macacu até a elevatória de água bruta através de um canal no município de Guapimirim. A água é então bombeada até a Estação de Tratamento de Água (ETA) do Laranjal.

Noruega abre Chamada para empresas brasileiras nas áreas de pesquisa em Energias Sustentáveis e Petróleo

Alinhada com o acordo BN21 (Brasil-Noruega Século XXI) e que conta com a participação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Chamada conjunta entre a Finep e o Conselho de Pesquisa da Noruega (RCN) tem como objetivo o apoio a projetos de cooperação entre os dois países. 

Os projetos devem ser iniciados ainda em 2024 e o prazo de submissão é até 24 de abril de 2024.

Os órgãos de fomento dos dois países apoiarão projetos desenvolvidos em cooperação entre empresas brasileiras e norueguesas, nas linhas temáticas previstas: Energias Sustentáveis: Energia eólica, Energia solar, Hidrogênio e vetores energéticos à base de hidrogênio; e Petróleo: Redução de emissão de gases do efeito estufa; Tecnologias de subsuperfície; Perfuração, completação e intervenção; Produção, processamento e transporte; Acidentes de grandes proporções e ambiente de trabalho.

Pelo lado do Brasil, a Finep destinará até R$15 milhões para essa chamada conjunta, com a intenção de dividir esses recursos igualmente entre projetos de petróleo e de energia renovável. Adicionalmente, o FNDCT alocará até R$ 3 milhões para o CNPq, para financiar bolsas dos participantes brasileiros para atividades na Noruega. 

Esses recursos seguirão as regras do CNPq para bolsas nas modalidades Desenvolvimento Tecnológico e Inovação no Exterior Junior e Senior (DEJ e DES, respectivamente). Cada empresa brasileira candidata deve escolher um coordenador brasileiro com currículo Lattes atualizado que será responsável pela indicação das bolsas da proposta aprovada.

Para mais informações, acesse o Edital e todos os anexos disponíveis em:  http://www.finep.gov.br/chamadas-publicas/chamadapublica/722

O Sistema Confea/Crea e Mútua é o responsável pela regulamentação da Engenharia de Petróleo e da Engenharia de Energias Sustentáveis, assim como o  Crea-RJ é o Conselho Profissional responsável pela fiscalização do exercício legal dessas profissões. Saiba mais sobre cada uma delas.

Engenharia de Petróleo

Engenharia de Energias Sustentáveis

Dia do Engenheiro Metalurgista

Os engenheiros metalurgistas são especialistas em todo o ciclo de vida dos materiais metálicos, atuando na elaboração de estudos e de projetos de processos metalúrgicos, desde sua extração da natureza até sua transformação em produtos úteis e duráveis. Eles dominam técnicas avançadas de processamento e tratamento térmico, garantindo a qualidade e a integridade dos materiais em todas as etapas de produção.

Por meio de relações que englobam disciplinas como matemática, física e química, esses profissionais desempenham um papel fundamental na pesquisa e desenvolvimento de novas ligas metálicas, buscando constantemente formas de aprimorar as propriedades dos materiais, tornando-os mais resistentes, leves e sustentáveis.

O curso de Engenharia Metalúrgica foi regulamentado pelo Ministério da Educação - MEC, perante a Legislação Pertinente Lei 5.194/66 - Resolução CNE/CES 11/2002, e as atividades desempenhadas pelos profissionais formados na área foram normatizadas pela Resolução nº 2018 de 29 de junho de 1974 do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea).

Em 10 de abril, comemora-se o Dia do Engenheiro Metalurgista.

Graduação

O curso de Engenharia Metalúrgica confere o título de bacharelado e possui uma duração média de quatro a cinco anos. Trata-se de uma jornada que prepara os estudantes para se tornarem especialistas na ciência e tecnologia dos materiais metálicos. Neste processo, os alunos mergulham em disciplinas fundamentais, como física, química e matemática, além de matérias específicas da área, como metalurgia, física, processamento de materiais e corrosão.

Pós-graduação

A pós-graduação em Engenharia Metalúrgica, assim como o mestrado e doutorado, oferece uma gama de oportunidades para o profissional se desenvolver e aperfeiçoar suas habilidades técnicas em áreas específicas dentro da indústria. Ao longo do curso, os estudantes têm a oportunidade de aplicar seus conhecimentos em laboratórios especializados, onde realizam experimentos práticos e aprendem técnicas avançadas de análise e caracterização de materiais. Além disso, são incentivados a participar de projetos de pesquisa em empresas do setor, ampliando sua experiência e visão prática sobre o campo da engenharia metalúrgica.

Área de atuação

A formação em Engenharia Metalúrgica abre portas para uma variedade de oportunidades profissionais, desde indústrias de metalurgia e siderurgia até empresas de mineração, automotivas e aeroespaciais. Estando aptos a atuar em diferentes áreas, como produção, controle de qualidade, pesquisa e desenvolvimento, sempre buscando soluções inovadoras e sustentáveis para os desafios do setor.

  • Na metalurgia, o engenheiro metalúrgico trabalha desde a extração das matérias-primas até a fabricação de produtos finais. Aplicam seus conhecimentos no processamento de materiais e controle de qualidade para otimizar os processos industriais, garantindo a qualidade dos produtos e buscando, sempre, eficiência e sustentabilidade ambiental.
  • Na siderurgia, o metalurgista atua em todas as etapas do processo siderúrgico, desde a fusão dos minérios de ferro até a fabricação de produtos de aço.
  • Nas empresas de mineração, esses profissionais são responsáveis por desenvolver e aplicar tecnologias para extrair, processar e beneficiar os minérios, visando a obtenção dos metais desejados.
  • Na indústria automotiva, eles trabalham no desenvolvimento e na produção de materiais metálicos avançados, como ligas de alumínio e aços especiais, que são necessários para a fabricação de componentes estruturais, motores e sistemas de transmissão dos veículos.
  • Na indústria aeroespacial, os engenheiros metalúrgicos trabalham em prol da concepção e fabricação de materiais leves e resistentes, como ligas de titânio e materiais compósitos, utilizados na construção de aeronaves e foguetes.

O Crea-RJ parabeniza todos esses profissionais, que com suas competências técnicas transformam, de forma positiva e inovadora, o desenvolvimento da sociedade.

Lançamento de livro sobre logística urbana na Inspetoria de Niterói

O Crea-RJ vai realizar o lançamento oficial do livro “Diretrizes de Logística Urbana para as Cidades Brasileiras: Fundamentos e Proposições”, do engenheiro eletricista Antônio Carlos Sá de Gusmão. Formado há mais de 40 anos, o professor na Escola de Engenharia da Universidade Federal Fluminense (UFF), foi convidado pela Editora Dialética a ter sua tese de doutorado transformada em livro, que já está disponível desde março passado.

A tarde de autógrafos vai acontecer no dia 25 de abril, das 17h às 19h30, na Inspetoria Regional de Niterói. Lembrando que o livro já está disponível para aquisição no site da editora.

Sobre a obra

A operação logística de carga urbana deve ser considerada uma questão de relevância no planejamento das cidades. Portanto, os impactos causados por meio do transporte rodoviário na distribuição de mercadorias sobre o sistema viário e de transportes em área urbana merecem uma análise mais apropriada, pois ainda existe a problemática da eficiente distribuição da carga nos diversos centros urbanos, em especial, no Brasil.

A concepção Logística Urbana, que vem sendo empregada em diversas cidades ao redor do mundo com sucesso, é um campo de conhecimento que tem como objetivo a otimização global das operações logísticas em áreas urbanas e que pode trazer benefícios relevantes na sua prática para as cidades brasileiras.

Neste contexto, em que as políticas públicas atuais praticadas no planejamento urbano ainda requerem diretrizes que possibilitem a eficiência da distribuição de mercadorias nas cidades, o presente livro tem por objetivo contemplar um conjunto de diretrizes, com base na pesquisa com profissionais da área de transportes, e que contribuirão para o desenvolvimento da movimentação de carga na área urbana, levando a um desenvolvimento sustentável das cidades.

Abril Verde pela Segurança no Trabalho

Abril é o mês dedicado à PREVENÇÃO, SAÚDE e SEGURANÇA NO TRABALHO. O Abril Verde é uma campanha anual que visa à conscientização sobre a importância desses pilares fundamentais para a garantia de um ambiente laboral saudável e eficiente.

De acordo com o Ministério da Economia, em 2022, foram registrados 713.442 acidentes de trabalho no Brasil, sendo, desse total, 5.778 fatais. As principais causas de acidentes de trabalho são quedas de altura, contato com máquinas e equipamentos, esforços físicos repetitivos e exposição a agentes nocivos.

A prevenção de acidentes e doenças ocupacionais requer um esforço conjunto das empresas, dos empregados e colaboradores, bem como das instituições reguladoras. A adoção de medidas preventivas, como treinamentos de segurança, uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados e identificação de potenciais riscos no ambiente de trabalho, é essencial para a minimização dos riscos e na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais.

Números recentes sobre acidentes de trabalho no Brasil:

713.442 acidentes de trabalho foram registrados em 2022

  • 5.778 desses acidentes foram fatais
  • 2.556 dos acidentes fatais foram típicos - ocorreram durante a jornada de trabalho
  • 3.222 foram atípicos - ocorreram no trajeto de ida ou volta do trabalho
  • Os setores com maior número de acidentes de trabalho foram:

Construção civil: 211.442

Indústria de transformação: 134.642

Serviços: 225.342

  • Os estados com maior número de acidentes de trabalho foram:
    • São Paulo: 211.442 
    • Minas Gerais: 82.244 
    • Rio de Janeiro: 54.442 
  • O Brasil perde cerca de R$ 400 bilhões por ano com acidentes de trabalho
  • Os acidentes de trabalho são a principal causa de morte entre jovens de 15 a 24 anos
  • A subnotificação é um dos problemas mais graves. Estima-se que apenas 30% dos acidentes de trabalho sejam notificados.

Os profissionais da Segurança do Trabalho são os responsáveis por identificar e avaliar os riscos físicos, químicos, biológicos, ergonômicos ou psicológicos presentes nos locais de trabalho. O objetivo é desenvolver e implementar medidas para controlá-los e minimizá-los, por meio de medidas de proteção coletiva e individual, a fim de prevenir acidentes e doenças ocupacionais e de promover a saúde e o bem-estar dos trabalhadores. 

O Crea-RJ é o Conselho profissional que fiscaliza o exercício legal da profissão dos técnicos e dos engenheiros de Segurança do Trabalho. É o registro que demonstra que o profissional é tecnicamente habilitado para atuar na área. Além disso, por meio de eventos de capacitação, conscientização e informação, o Crea-RJ busca ampliar a garantia de ambientes de trabalho mais seguros e contribuir com a construção de uma cultura de prevenção e segurança, em todo o estado do Rio de Janeiro.

Curso online gratuito de Treinamento de Combate a Incêndio

Com o apoio do Crea-RJ, a Sociedade Brasileira de Engenharia de Segurança (SOBES) e a Sociedade Brasileira de Engenharia de Segurança do Estado do Rio de Janeiro (SOBES-Rio) vão promover o curso TREINAMENTO DE COMBATE A INCÊNDIO - ENFOQUE NO CADASTRAMENTO DE PROJETISTA AUTÔNOMO NO CBMERJ.

Realizado de forma online e gratuita, o objetivo é capacitar os profissionais da Engenharia Civil e demais profissionais do Sistema Confea/Crea e Mútua a se cadastrarem como projetistas autônomos no Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro.

Destinado a engenheiros e técnicos de Segurança do Trabalho, estudantes de Engenharia e demais profissionais registrados e regularizados do Sistema Confea/Crea e Mútua, o curso será ministrado por Alex Queiroz Vieira (Crea-RJ: 129624 - D), formado em Engenharia Elétrica e Engenharia de Segurança do Trabalho. Está incluído todo o material didático (digital) e certificado de conclusão de curso para os participantes que tenham cumprido, pelo menos, 80% da carga horária, que é de 15 horas. 

As vagas são limitadas a 50 alunos e as aulas ocorrerão ao vivo, via plataforma Zoom, no período de 8 a 12 de abril de 2024, das 18h às 21h.  

 

Curso online gratuito de Capacitação e Formação de Peritos Judiciais

Com o apoio do Crea-RJ, a Sociedade Brasileira de Engenharia de Segurança (SOBES) e a Sociedade Brasileira de Engenharia de Segurança do Estado do Rio de Janeiro (SOBES-Rio) vão promover o curso CAPACITAÇÃO E FORMAÇÃO DE PERITOS JUDICIAIS COM ÊNFASE EM JUSTIÇA DO TRABALHO - ENFOQUE NA ATIVIDADE E PRÁTICA PERICIAL.

Realizado de forma online e gratuita, o objetivo é capacitar os alunos a entrarem na carreira de perito judicial com ênfase na Justiça  do Trabalho, englobando o passo a passo desde o cadastro no tribunal TRT1 até a elaboração de laudo pericial. 

Destinado a engenheiros e técnicos de Segurança do Trabalho, estudantes de Engenharia e demais profissionais registrados e regularizados do Sistema Confea/Crea e Mútua, o curso será ministrado por Alex Queiroz Vieira (Crea-RJ: 129624 - D), formado em Engenharia Elétrica e Engenharia de Segurança do Trabalho. Está incluído todo o material didático (digital) e certificado de conclusão de curso para os participantes que tenham cumprido, pelo menos, 80% da carga horária, que é de 15 horas. 

As vagas são limitadas a 50 alunos e as aulas ocorrerão ao vivo, via plataforma Zoom, no período de 8 a 12 de abril de 2024, das 14h às 17h.  

 

Curso online gratuito de Topologia da Prova Pericial

Com o apoio do Crea-RJ, a Sociedade Brasileira de Engenharia de Segurança (SOBES) e a Sociedade Brasileira de Engenharia de Segurança do Estado do Rio de Janeiro (SOBES-Rio) vão promover o curso TOPOLOGIA DA PROVA PERICIAL NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E SUA APLICAÇÃO PRÁTICA NA ENGENHARIA DE SEGURANÇA.

Realizado de forma online e gratuita, o objetivo é apresentar uma visão geral do desenvolvimento da prova pericial, segundo o Código de Processo Civil e o Processo Trabalhista, e sua aplicação na prática nas perícias de insalubridade e periculosidade na Justiça do Trabalho.

O curso é destinado a todos os profissionais registrados e regularizados do Sistema Confea/Crea e Mútua que queiram ingressar no mercado pericial.

O curso será ministrado por Joelson Cunha de Oliveira (Crea-RJ: 821021797-D), formado em Engenharia Elétrica, Engenharia de Segurança do Trabalho e Direito. Está incluído todo o material didático (digital) e o certificado de conclusão de curso para os participantes que tenham cumprido, pelo menos, 80% da carga horária, que é de 15 horas. 

As vagas são limitadas a 50 alunos e as aulas ocorrerão ao vivo, via plataforma Zoom, no período de 1 a 5 de abril de 2024, das 18h às 21h.  

Curso online gratuito de Aplicação Prática sobre NR-12

Com o apoio do Crea-RJ, a Sociedade Brasileira de Engenharia de Segurança (SOBES) e a Sociedade Brasileira de Engenharia de Segurança do Estado do Rio de Janeiro (SOBES-Rio) vão promover o curso APLICAÇÃO PRÁTICA DA NR-12 SEGURANÇA DO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS.

Realizado de forma online e gratuita, o objetivo é capacitar os profissionais de Engenharia de Segurança para auditar, ou seja, avaliar a conformidade com os requisitos aplicáveis na NR-12 a cada tipo de máquina.

O curso é destinado a Engenheiros Mecânicos,  Engenheiros de Segurança do Trabalho e demais profissionais registrados e regularizados do Sistema Confea/Crea e Mútua, além de estudantes de Engenharia. 

O curso será ministrado pelo Engenheiro Mecânico e de Segurança do Trabalho Ottilio Guernelli Jr. (Crea-RJ: 200219761-0). Está incluído todo o material didático (digital) e o certificado de conclusão de curso para os participantes que tenham cumprido, pelo menos, 80% da carga horária, que é de 15 horas. 

As vagas são limitadas a 50 alunos e as aulas ocorrerão ao vivo, via plataforma Zoom, no período de 1 a 5 de abril de 2024, das 14h às 17h.  

Engenheiro Hídrico e Hidrogeólogo celebram suas profissões no Dia Mundial da Água

Em 22 de março é celebrado o Dia do Engenheiro Hídrico e do Hidrogeólogo, profissionais da Engenharia e da Geologia, que atuam na análise e monitoramento do bem mais importante para a vida no planeta

O Dia do Engenheiro Hídrico e do Hidrogeólogo é comemorado no mesmo dia em que é celebrado o Dia Mundial da Água. Não se trata de uma coincidência. Esses profissionais carregam a responsabilidade de gerir o bem mais precioso do planeta. Além do monitoramento das bacias, os engenheiros hídricos atuam em setores ligados à produção de energia elétrica.

O Dia Mundial da Água foi instituído pela ONU para lembrar a importância da preservação dos recursos. Vale ressaltar que o Brasil tem a maior reserva hidrológica do planeta (12% da água doce), com destaque para os aquíferos Guarani (localizado no Brasil, Paraguai, Uruguai e Argentina) e Alter do Chão, na região amazônica.

Nos anos mais recentes, o Brasil enfrentou uma das piores crises hídricas de sua história, conforme divulgado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Os reservatórios do sistema Sudeste/Centro-Oeste, responsáveis por 70% da geração de energia do país, operaram com apenas 19,59% da capacidade. Esse monitoramento, essencial para enfrentar crises como essa, é uma das atribuições dos engenheiros hídricos, uma disciplina relativamente nova e que tem suas funções regulamentadas pelo Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea), de acordo com a Resolução nº 492, de 30 de junho de 2006.

Já os profissionais da Hidrogeologia avaliam a viabilidade do consumo consciente da água, tanto na superfície, subsuperfície e em profundidades. São responsáveis também por dimensionar o volume de água a ser explorado sem prejudicar o ambiente, buscando preservar as reservas de água a longo prazo.

É importante salientar que a água dos aquíferos é muito antiga, de milhões de anos e que sua “recarga” é bastante lenta, já que depende da penetração das chuvas no solo até chegar neles. A água é um bem da humanidade e circula pelo planeta, sem fronteiras. É fundamental pensar de maneira global para a preservação desse recurso, de maneira sustentável e consciente.

Saiba mais sobre as profissões